quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

JUSTIFIED


Cada série tem seu atrativo para chamar o público. As vezes o marketing ferrenho faz o trabalho, outras vezes o “boca a boca” te induz a assistir a série. Mas percebo que existe uma maneira que o Netflix e Amazon utilizam e que fica muito parecida com métodos usados pelas saudosas locadoras: pôster maneiro e sinopse interessante. Foi dessa forma que cliquei nas ótimas imagens de Justified, disponibilizada na Amazon, e ao perceber dois atores hollywoodianos no elenco, achei ainda mais interessante. E na dúvida que ultimamente temos das novas séries, se terão continuação ou serão canceladas sem vermos o final (Marco Polo, The Get Down, Sense 8 – essa última estamos aguardando o tão esperado episódio que fechará a história), Justified, iniciada em 2010, possui suas seis temporadas no catálogo à sua espera.

É uma série de faroeste dos dias atuais, com federal fazendo as vezes do xerife e grupos de traficantes agindo no lugar de assaltante à bancos e vingadores. Timothy Oliphant protagoniza como o agente Raylan Givens, que ficou famoso por aplicar a lei de maneira não convencional, mas totalmente “justificável” dando nome a série. Logo no primeiro episódio ele mata um figurão do crime em Miami, que desencadeia toda a história principal. Devido as consequências com essa morte, que passa a ser investigada, ele é transferido para a cidade de Lexington, no Kentucky, que jurisdiciona também em Harlan County, local onde Givens cresceu e que deixou há muito tempo, para seguir o caminho da lei. Uma vez que encontrará antigos desafetos e conhecidos que não veem com bons olhos um federal que os conhecem tão bem rondando a cidade, ele descobre que sua transferência só lhe trará mais problemas.


Givens se depara com um passado que ele tinha fugido, reencontrando amores antigos e amigos que mudaram muito nas últimas décadas. Em cada episódio ele segue uma determinada missão, em paralelo com a história principal. Enquanto Givens caça fugitivos da justiça ou escolta uma prisioneira grávida para sua consulta, enfrentando graves problemas no processo, a rivalidade entre as famílias criminosas que o agente conhece vai se desenhando. Como estão numa cidade mineradora, na maioria são mineiros ou criminosos. Dessas famílias, são os Crowder que causam os maiores estragos, entre eles o ensandecido Boyd (o ótimo Walton Gogins de Os oito odiados), que se tornou conhecido pelos seus crimes e maneira irresponsável de agir, fatos de sua vida que vem sempre à tona mesmo quando tenta fazer a coisa certa.


Raylan e Boyd são as grandes estrelas do programa. Ver Givens na maior cara de pau entrando nos locais perigosos e interpelando os criminosos é divertido, ainda mais com o cinismo que ele demonstra. Com seu chapéu de cowboy, sua fama o precede, e além dos criminosos ele tem que enfrentar sua família que não vê a muito tempo, que são o pai, Arlo Givens – que não deixa de ser mais um criminoso – e a madrasta, além de sua ex-mulher Winona, em vias de separação com o atual marido. Lá ele reencontra também a bela Ava, que acabara de matar o marido em legítima defesa e que era irmão de Boyd Crowder. Este é uma antítese de Raylan, que seguiu o caminho da família, e tem o temperamento estranho e conflituoso. Vê-lo em ação ou tentando fugir de encrencas também é muito legal, e em diversas vezes ele passa a ser mais interessante que o próprio protagonista.

Tudo foi baseado no livro “Fire in the hole(Fogo no buraco), uma frase dita por Boyd, conhecida por todos, momentos antes deles explodir algum lugar. Rendeu boas temporadas para o canal FX, e se tornou um sucesso, finalizado o ano passado (2016). No começo achei que ia me cansar devido ao estilo de apresentar o “caso da semana”, mas os personagens te cativam e tudo é realmente bem escrito, com ótimos diálogos e enredos. O esquema de demonstrar ser um faroeste é interessante, a imagem e tonalidades das cenas nos indicam isso e o elenco coadjuvante é excelente, cheio de caras conhecidas, e também gera boas risadas. Vale à pena conferir.