segunda-feira, 3 de abril de 2017

O MÁSKARA - A SÉRIE ANIMADA


O Máskara foi um dos filmes de maiores sucessos da década de 90, que fez a carreira de Jin Carrey deslanchar e deu ao personagem um status nunca alcançado pela sua participação nos quadrinhos, de onde é originado. Mas o Máskara do filme é mais cômico, e mesmo cometendo atos ilícitos, como roubar banco e enfiar peças de automóvel no traseiro dos mecânicos malandros, foi um anti-herói amado pelas crianças e adolescentes. Eu devo ter assistido esse filme umas dez vezes, daquela época para cá, e até hoje dou risada na cena em que Carrey está colocando papel higiênico no vaso sanitário para "descarregar" enquanto está preso. Por ser um personagem com características de desenho animado, ele se tornou perfeito para a animação produzida pela CBS, posteriormente pelo Cartoon Network, de 1995 à 1997, aproveitando o sucesso do filme.

No desenho alguns acontecimentos do filme são esquecidos para que a trama prossiga. O atrapalhado Stanley Ipikiss ainda trabalha no banco, com seu amigo Charlie, e mora no seu mesmo apartamento, com seu cachorro esperto Milo, e é atormentado pela vizinha encrenqueira Srta. Peenman. Nada é falado quanto aos eventos que finalizaram o filme, muito menos da loira Tina (interpretada por Cameron Diaz) que termina o filme com Ipikiss. E essa escolha foi acertada, pois uma das graças do personagem é ser um tremendo azarado, covarde, sem jeito para as mulheres e necessitado do Máskara, que extravasa o seu lado "amalucado". Seus problemas continuam os mesmos​, sem sorte como sempre, com a repórter Peggy ao seu lado, dessa vez ajudando, bem diferente do filme, que se mostra uma traidora. Ela é a única que sabe dá dupla vida do amigo, além do cachorro, é claro. Já o tenente Kellaway vive no pé de Ipikiss querendo provar de uma vez por todas que ele é o ensandecido louco da máscara verde, e de quebra ele é acompanhado do engraçado parceiro Doyle, sempre com uma rosquinha a tiracolo.


Diferente do filme, o Máskara pode agir de dia, e não está as vezes ela muda de dono, que pode ser novamente o cão Milo, ao psiquiatra que trata de Stanley. O sobrinho bebê de Ipikiss também utiliza a máscara, e pode muito bem ter sido a inspiração para o filme "O filho do Máskara" que pelo bem de Carrey ele não participou dá produção. Bordões como "Alguém me segura" eram pronunciados em diversas oportunidades, e o Máskara usava e abusava de seus poderes tal qual no filme de 1994. O criador do personagem nos quadrinhos, John Arcudi, até contribuiu com alguns episódios, e alguns personagens seguiram com a aparência que tinham nos quadrinhos, como o Kellaway, muito maior e mais novo.

Mas para ser o grande herói de Edge City, o Máskara tinha que enfrentar vários vilões estranhos em cada episódio, tão malucos quanto ele. O grande gangster era o balofo Lonnie Tubarão, que tem uma gangue de motoqueiros barbudos como capangas. Talvez os mais estranhos inimigos sejam a dupla de adolescentes que decidiram se expor à radiação para conseguir poderes, e um deles até consegue, se intitulando Gosmento tendo poderes de controlar o barro e areia, mas seu amigo se transformou num peixe fedido sem poder algum. A dupla já foi derrotada pelo Máskara muitas vezes, que não perde a ocasião de tirar sarro do Cara de Peixe. Mas seu maior inimigo é o cientista do mal Petrorius, que com seu corpo robótico tem ganas de conseguir a máscara.


Muitos outros vilões aparecem, mas ver o Máskara percorrer a cidade em seu redemoinho, puxando a cueca do Kellaway até a cabeça e explodindo charutos na boca da intratável Sra. Peenman são as marcas registradas do herói. Podemos dizer que ele salva a cidade em diversas ocasiões, e em muitos episódios ele tem ajuda, se parar para analisar quase todos os personagens já usaram a máscara. Bem pouco dá origem da máscara é falada no desenho, como a sua ligação com os deuses nórdicos, sendo a máscara uma representação de Lock, deus da trapaça, pela primeira vez utilizada para o bem com Stanley Ipikiss. Foram lançados alguns quadrinhos inspirados no desenho, que teve vida curta no Brasil. Tem até um especial do Máskara com Batman e Coringa. Mas fica a vontade de conhecer a versão original de Arcudi.