quinta-feira, 21 de julho de 2016

ARNOLD SCHWARZENEGGER: A INACREDITÁVEL HISTÓRIA DA MINHA VIDA


Se for para definir esse livro em uma palavra escolheria “determinação”. Arnold as cita em varias passagens de sua vida. Nesse livro biográfico o austríaco relata sua vida dividindo-a em três partes: Fisiculturismo, Cinema e Política, em todas elas ele demonstra como ter nervos de aço para manter sua determinação intacta e chegar a seus objetivos. Pelo que ele contou, ele conseguiu tudo o que queria. Sua vida se mistura com ícones da cultura nerd, um pouco menos na parte política, mas é no fisiculturismo e cinema que ele chama mais atenção.

Desde criança ele tinha o sonho de ser um fisiculturista, mas ele penou para chegar a seu objetivo. Sua família era muito pobre e passaram apuros em sua cidade natal na Áustria, bem na época que o sonho americano estava no auge. Nessa parte de sua biografia fica evidente o quanto a determinação moldou sua vida. Foi para a América ainda jovem e com o tempo foi aprimorando o seu corpo para se tornar o maior vencedor das disputas de fisiculturismo até então. Ele relata que não bastava ser forte nesse ramo, tem que trabalhar os músculos por igual: se ele melhorar um bíceps, o seu corpo inteiro tem que seguir essa melhoria, desde o pescoço até a panturrilha. Além de treinar poses, o controle emocional tinha que ser imbatível, em uma passagem ele conta como foi difícil deixar de ir ao enterro do pai devido a uma final de campeonato, onde ele estava calmo e impassível, recebendo com sorrisos os louros da vitória.


Existiam outras técnicas para derrotar os adversários, e Lou Ferrigno que o diga. Na época em que competiram foi filmado o documentário O homem dos músculos de ferro,  devido a notícia de que Arnold iria se aposentar, após varias vitórias consecutivas no concurso de Mister Olympia. É nesse documentário que ele diz ter sensações de orgasmo quando faz exercícios. Lou Ferrigno ainda era jovem, com a figura do pai lhe causando grande pressão e influência, e Arnold usa isso como arma ao aparecer na academia do jovem para malhar na frente dele. O desconforto de Ferrigno fica evidente e chega a ser cômica a maneira como Arnold o aborda. No livro ele revela que utilizou anabolizantes para melhorar seu desempenho, numa época que esse suplemento não gerava muita discussão como hoje. Lou Ferrigno só conseguiu ganhar nas competições futuras, após a aposentadoria de Arnold, que seguiu carreira em Hollywood. Mais uma vez ele colocava a palavra determinação como guia no seu caminho. Enquanto Lou Ferrigno dava vida a Hulk na série de televisão, Arnold dava pulos mais altos. Já em companhia de Maria Shriver, membra da família Kennedy, e após algumas atrapalhadas em participações menores em séries e filmes, na década de 80 Arnold enfim conseguiu os dois papéis que definiram sua carreira. Com dificuldades com o idioma, esses dois personagens lhe caíram como luva: Conan - o Bárbaro e O Exterminador do Futuro.


Após isso ele não parou mais, atuando em filmes de ação e comédia. O sucesso de Conan rendeu uma continuação menos inspirada, Conan o destruidor, que devido a insistência dos produtores, a violência, cenas de nudez e roteiro foram suavizados para conseguir reduzir a faixa etária nos cinemas, enfraquecendo a trama e finalizando a franquia. Ainda bem que com o Exterminador foi diferente, onde o diretor James Cameron transformou o grandalhão em herói no que para mim foi o melhor filme na carteira do ator. O Exterminador do Futuro 2 - o julgamento final é um baita filme, o mais caro na época, com efeitos especiais nunca vistos até àquele momento. Schwarzenegger relata como foram as filmagens, a discussão que ele teve com o diretor devido a uma frase do primeiro filme que ele não entendia muito bem e queria mudar a todo custo. I'll be back (eu voltarei) era a frase, que ele a repetiria no futuro a exaustão, principalmente em sua campanha política como candidato a governador da Califórnia.


Além dos filmes citados, outras produções fizeram dele um astro querido pela comunidade nerd: O Predador, O Sobrevivente, O Vingador do Futuro, Fim dos dias. Fizeram algumas porcarias, como o Batman e Robin, continuações desnecessárias do Exterminador, mas sua posição de ídolo nunca foi abalada. O legal do livro são as curiosidades que ele vai soltando em doses de acordo com a passagem de sua vida, desde a primeira vez que ele teve um caso extraconjugal (com Brigitte Nielsen, durante as filmagens do filme Guerreiros de fogo) até a segunda vez, com sua empregada, que causou a sua separação e gerou um filho. Desavenças, uma delas com o duble chato do Predador, um tal de Jean Claude Van Damme que vivia reclamando, até problemas de saúde. Para quem gosta do ator esse livro é imperdível.