quarta-feira, 15 de junho de 2016

PROMETHEUS


Nos ano 2000, o diretor Ridley Scott já tinha interesse de dirigir um novo filme Alien, que em 1979 fez enorme sucesso sob sua batuta, mas que deixou muitas perguntas no ar que não foram reveladas nos filmes posteriores da franquia. Em 2012 ele enfim dá continuidade à sua história, mas seguindo uma linha narrativa diferente em uma história que ocorreu antes dos eventos mostrados em toda a franquia. Em Alien, o Oitavo passageiro, logo no inicio do filme, vemos a nave Nostromus interrompendo sua viagem de retorno à Terra para atender um pedido de socorro proveniente de um pequeno planeta no caminho. Chegando nesse planeta, eles descobrem que a mensagem pedindo socorro vinha de uma nave abandonada, e dentro dela encontram os restos mortais de um alienígena comum buraco nas costelas. Após retornarem à nave com um integrante do grupo levando consigo o “alien” em seu organismo e os eventos mostrados no filme, nada é dito ou revelado sobre a nave abandonada ou o alienígena mumificado (conhecido Space Jockey) que eles encontraram.


Ridley Scott, com ajuda do roteirista Damon Lindelof (Lost), lançam em 2012 o filme que poderia revelar o que aconteceu com esse Space Jockey (ou tentar). No ano de 2089 uma expedição é formada para tripularem a nave Prometheus, que tem como objetivo comprovar a teoria da arqueóloga Elisabeth Shaw (Noomi Rapace), que descobriu um mapa estelar após analisar diversas culturas antigas, acreditando se tratar de uma rota traçada por seres que estiveram na Terra antes da formação da humanidade. Patrocinadas por uma grande corporação e encarando essa rota e descoberta como um convite por essa raça milenar, eles partem em busca desse sinal. Esses seres antigos foram apelidados por ela de Engenheiros (uma vez que acreditava se tratar de uma raça alienígena que utilizou engenharia genética para que a humanidade fosse criada).


Quando chegam nesse “ponto de encontro”, descobrimos que esse pequeno planeta é o mesmo que os tripulantes da nave Nostromus aterrissaram no filme do Alien, mas mesmo sendo acontecimentos anteriores, eles encontram o planeta em situações parecidas (não idênticas), o ao final do filme surgem ainda mais perguntas. O ponto forte desse novo filme são as figuras imponentes dos Engenheiros, que logo no inicio do filme nos causa curiosidade. Sem nenhuma explicação, um homem alto, extremamente branco, musculoso e com olhos totalmente negros, toma um liquido que o faz deteriorar e se misturar com a água, gerando uma cadeia de transformação genética, tudo isso sendo assistido por uma nave espacial. Uma paralelo com o livro Eram os deuses astronautas do autor Erich von Däniken é traçado como uma homenagem por parte do diretor.


O filme possui bons atores como Noomi Rapac é a arqueóloga, Michael Fassbender (o Magneto do filme X-Men: Primeira classe) é o androide que parece ter planos secretos para a espedição, Guy Pearce, irreconhecível devido a maquiagem que o deixa extremamente velho, é o patrocinador da expedição espacial, que ainda tem Idris Elba e Charlize Theron no elenco. O visual é muito bonito e tem na figura dos Engenheiros seu maior trunfo.

Uma continuação seria lógica, de acordo com os acontecimentos do final do filme, e Ridley Scott está trabalhando nela. Após o lançamento de Prometheus choveram varias dúvidas e teorias na internet. Pelo que foi mostrado Os Engenheiros seriam os Space Jokers (a imagem do alienígena mumificado seria um traje espacial), mas há varias diferenças nesse uniforme. Na trama, os tripulantes acabam sofrendo varias ameaças desencadeadas por ações de David, o androide, que rouba um cilindro de uma estrutura antiga do planeta, e injeta o líquido em um tripulante que tem relações sexuais com Elizabeth. Esse tramite acaba gerando uma criatura no ventre da arqueóloga e juntamente com outros acontecimentos trágicos ocorridos com a tripulação, vamos descobrindo alguns traços do antigo filme de Alien, deixando muitas pontas soltas para serem respondidas no segundo filme. Aguardamos ansiosos pela continuação.