segunda-feira, 2 de maio de 2016

1985


Mark Millar é um dos grandes nomes dos quadrinhos da atualidade, e está sempre se reinventando, fugindo às regras e maneirismos nas histórias de super-heróis. Em 1985 ele brinca com alguns arquétipos (excluindo-os) e originalmente nos conta uma história com um pé na ficção e o outro na realidade (em termos).

No ano de 1985 o garoto Toby é fanático por quadrinhos, em especial os das aventuras Marvel. Como os nerds de plantão, conhece a identidade secreta de heróis famosos e também dos obscuros, visita a loja de quadrinhos sempre que consegue e utiliza o tempo lendo seus gibis para encontrar um ponto de fuga para sua vida difícil, com os pais separados, onde sua mão não entende seu amor pelos quadrinhos, leitura que não vai levar a lugar nenhum, uma vez que o pai do garoto também é fissurado pelos personagens da Marvel, mas agora em idade madura é um sujeito sem eira nem beira. Mas Toby continua suas idas a loja de quadrinhos, por amor a nona arte ou também para afrontar a mãe e seu novo padrasto.


Eis que em uma de suas andanças, ele vai à casa dos Wyncham, onde um garoto, amigo de infância de seu pai, morava. Agora esse mesmo garoto está em estado vegetativo, e seu pai não o visita mais no lugar em que está internado. Sabendo que a velha casa dos Wyncham está para ser vendida e alguns dos objetos estão sendo colocados para fora, Toby e seu pai acabam encontrando uma valiosa coleção de quadrinhos. Toby pensa conhecer o homem que está comprando o velho casarão de algum lugar e vê na janela do andar superior alguém muito parecido com o Caveira Vermelha, inimigo do Capitão America. Guarda sua visão consigo, pensando ser uma máscara ou algo parecido.

Mas no telejornal é dado a noticia do avistamento de um homem com uma roupa com asas sobrevoando a cidade, e quando aparece a foto do fantasiado ele reconhece na hora: o Abutre, inimigo do Homem Aranha. Tenta contar as coincidências ao seu amigo de escola, mas não recebe crédito, indo à noite sozinho no casarão recém-comprado e consegue espiar o Dr. Destino conversando com o Topeira, inimigos do Quarteto Fantástico. Com medo de ser pego, foge, mas é surpreendido pelo gigante verde Hulk à procura do Fanático. Lógico que ninguém acredita nele, mas todos passarão acreditar quando mais vilões surgirem espalhados pelo mundo causando pânico e destruição.


É legal ver como o mundo se comporta com a aparição desses personagens na história de Millar. Sem a presença dos heróis ou das travas editoriais, as ações desses vilões são extremamente cruéis, usando seus poderes a rodo, derretendo e matando cidadãos, cometendo genocídios infantis, causando suicídio coletivo, etc. Vilões como Lagarto e Topeira dão medo, diferente dos quadrinhos. O desfecho pode parecer simplista, mas o realismo apresentado é memorável, não apenas com as ações dos vilões e reação da população, mas também nos dilemas do garoto e seus problemas sociais e familiares.

1985 é uma grande homenagem aos fãs de quadrinhos, para os novos e também para os veteranos, que não se envergonham de ler seus HQs no ônibus ou metrô e ainda tem suas coleções guardadas a sete chaves durante anos.  Nesse mundo descrito por Mark Millar, apenas um fã de quadrinhos poderia salvar o mundo.