quarta-feira, 20 de abril de 2016

GUARDIÕES DA GALÁXIA



Os Guardiões da Galáxia é um dos melhores filmes da Marvel. O motivo de ter dado tão certo é o mesmo motivo do primeiro Homem de Ferro ter tido sucesso. É algo novo inesperado. Os filmes da Marvel pós-primeira faze (incluindo o filme dos Vingadores) careciam de uma inovação e chega enjoar ver Robert Downey Jr fazendo piadinhas enquanto o Hulk destrói tudo. Acaba virando mesmice, e quando o estúdio decide sair de sua zona de conforto e arrisca um filme com uma equipe irreverente eles acertam em cheio.

Uma equipe muito estranha, diga-se de passagem, que é uma das encarnações do grupo Os Guardiões da Galáxi dos HQs, não muito conhecidos do grande público, mas até o primeiro filme do Homem de Ferro ele também não era tão famoso como é agora. Os Guardiões tinham tudo para dar errado, tanto nos cinemas quanto na trama. Rocky (voz de Bradley Cooper) é um guaxinim modificado geneticamente e armado até os dentes em companhia de seu parceiro Groot (voz de Vin Diesel) uma árvore humanoide, se unem a contra gosto ao musculoso e angustiado Drax (Dave Baustista) e Gamora (Zoe Saldanha), uma ex-assassina enviada pelo general da raça Kree, Ronan, para que roubasse a orbe do poder, capaz de destruir planetas. E Peter Quill, conhecido como o Senhor das Estrelas, (Chris Pratt) um humano que age como mercenário intergaláctico.


Cada um dos integrantes tem um motivo para se juntar a equipe. Enquanto Rocky e Groot quer parte do dinheiro sobre a venda da orbe do poder para novos compradores, Drax busca vingança contra Ronan, que destruiu sua família. Já Gamora se voltou contra o general Kree e agora tem em seu encalço sua irmã Nebula, que com a ajuda de um caçador de recompensas, a caça implacavelmente para reconquistar a orbe. Quill tem vários interesses (parte do dinheiro, fugir da prisão, salvar a pele e quem sabe um romance com Gamora), mas no fundo o motivo principal é uma vontade contida de fazer a coisa certa (lógico).

Resultado de imagem para guardiões da galáxia

Muitos outros personagens vão se misturando a trama. A Tropa Nova prende o quinteto numa prisão de segurança máxima (sabemos dessa forma que o herói Nova irá aparecer em filmes posteriores), a raça Kree tem grande importância, ainda mais com um representante a altura, como Ronan e seu poderoso martelo. Sua coragem merece destaque, uma vez que se rebela contra o poderoso Thanos e pretende usar a orbe do poder em benefício próprio. E o comprador do orbe nada mais é que o Colecionador (Benicio Del Toro), que em uma das cenas mais interessantes, demonstra sua coleção aos seus visitantes. Em seu museu podemos perceber alguns Ester Eggs: Howard – o pato, o casulo de Adam Warlock, o cachorro Cosmo fugindo, entre outros que não foram confirmados.

Chris Pratt faz um ótimo protagonista, e é merecedor do personagem. Conseguiu perder mais de 20 Kilos para o papel. Suas piadinhas e simpatia dão um impulso inicial à trama, que é recheada de musicas dos anos sessenta e setenta, devido às escolhas musicais de Peter Quill, dono da única nave espacial da galáxia com toca fitas. No filme há muitos personagens, o que deveria atrapalhar, mas foram bem dosados, diferente de Os VingadoresAs origens dos personagens vão sendo contada no decorrer da trama, mas logo no inicio somo apresentados ao jovem Quill sendo abduzido. O que ocorreu após sua abdução e como se tornou o mercenário conhecido como Senhor das Estrelas, vai ficar para outro filme. No fim quem rouba a cena são a dupla Rocky e Groot, que com apenas uma frase (Eu sou Groot) consegue se expressar durante o filme inteiro. Aguardamos a continuação.