quinta-feira, 3 de março de 2016

OS CRIMES ABC


Mais um livro da Agatha Christie, mais um serial killer, mais um mistério. Só que agora ele vem com um detetive genial. Criado pela autora em 1929, o extravagante detetive Hercule Poirot já desvendou dezenas de mistérios e é protagonista de mais de quarenta livros da escritora. É de se esperar que a Dama do Mistério criasse um dia seu próprio “Sherlock Holmes”. Poirot é belga, mas sempre achei que era francês. Como o famoso detetive britânico, o detetive de Agatha também tem suas particularidades, sempre com a aparência impecável (a elegância e seu bigode inconfundível), ele está sempre se gabando de usar a mente para desvendar os mistérios que a polícia não consegue elucidar. Uma de suas falas habituais é às que se refere a sua arma-secreta: suas células cinzentas, que já o ajudou a desvendar crimes sem sair de sua poltrona.

Sempre metódico e cuidadoso, já declarou ao seu amigo Hastings (o Watson de Agatha Christie) que se tivesse um criminoso tão cuidadoso e metódico quanto ele, o crime seria insolúvel. O “baixinho e bigodudo” detetive é respeitado pela Scotland Yard e conhecido como um dos melhores detetives do mundo, e não foi espantoso quando o departamento de polícia recebe uma carta endereçada a ele, informando o local e a data de um futuro assassinato.
 

Em Os crimes ABC Hercule Poirot terá de desvendar quem é o remetente misterioso dessas cartas. Mas os crimes seguem um estranho método. Suas vítimas e cidades são escolhidas em ordem alfabética e sempre ao lado da pessoa assassinada é deixado um guia de trens, chamado de ABC pelos britânicos. Desafiando o detetive, o criminoso informa o local onde será cometido o crime, fazendo a polícia correr contra o tempo para achar a pessoa que tenha o nome iniciado pela mesma letra da cidade. Com esse modus operandi o assassino começa a ser considerado o novo Jack Estripador pela imprensa inglesa. Eis que a polícia chega a um homem chamado Alexander Bonaparte Cust (ABC) que em alguns momentos de seu dia não consegue se lembrar de onde esteve ou o que fez.

O que o misterioso assassino não suspeitava é que Poirot não é uma pessoa que deve ser subestimada e Poirot seguira sempre em frente até desvendar quem é o assassino. Logicamente, como todo livro de Agatha Christie, o final é surpreendente.

 
Um grande personagem de uma grande autora. As aventuras de Poirot já se tornaram filmes e série, tendo o ator David Suchet como o seu maior interprete, tendo declarado que irá vivenciar o detetive em todas as histórias criadas pela autora, desde os romances e contos. O livro Os crimes ABC foi escrito em 1936 e faz parte de um dos melhores livros de Agatha Christie e também de Hercule Poirot, que teve sua aventura final contada no livro, Cai o Pano, lançado após a morte da autora, em 1975. Mas ele usou bastante suas células cinzentas.

Quer ler outro bom livro de Agatha Christie, leia nossa postagem sobre O  caso dos dez negrinhos