sexta-feira, 25 de março de 2016

BATMAN: A SÉRIE ANIMADA



Com o sucesso do lançamento da graphic novel Batman: O cavaleiro das trevas, o homem morcego reconquistou seu estilo dark e nebuloso, e foi agraciado com outras ótimas histórias como Batman: Ano um, Batman: Asilo Arkham e Batman: A piada mortal, garantindo um bom material para o filme de 1989 dirigido por Tim Burton, que teve um grande êxito nos cinemas. Mais que uma revitalização, uma nova franquia estava disponível para ser trabalhada, onde além do herói encapuzado, uma gama de vilões interessantes poderia ser introduzida nesse processo.

Uma animação do Batman era inevitável e tinha que ser um desenho com o mesmo cuidado artístico que os filmes de Burton. Enquanto que no filme a atuação de Michael Keaton como Batman foi aplacada pelo Coringa de Jack Nicholson, no desenho tomaram precauções para dar ao herói o mesmo capricho que ele tem nos quadrinhos. A trilha sonora do filme, composta por Danny Elfman, é a trilha perfeita para o Batman, que abre o desenho em uma introdução de cair o queixo (veja a abertura do desenho no fim do post).



As sombras, gárgulas, dirigíveis, figurino retrô, becos escuros, sinais luminosos, galpões abandonados, tudo foi incorporado na animação do produtor Bruce Timm, com seus traços minimalistas que lembram um pouco os desenhos de Jack Kirby, Timm tornou-se o designer de todo o universo DC nas animações que vieram no futuro devido ao grande sucesso alcançado por Batman: A série animadaVilões que nunca foram utilizados em animações ficaram conhecidos devido a série, como o Duas Caras, o Chapeleiro Louco, VentríloquoCara-de-Barro e Ra's Al Ghul. O Sr. Frio já havia sido utilizado na série dos anos 60, mas aqui ele é mais sombrio e amedrontador, o que acabou sendo também utilizado nos quadrinhos. Os vilões principais da saudosa série sessentista retornam com seus novos visuais e personalidades menos afetadas. O Charada e Mulher Gato surgem em visuais inspirados em versões mais charmosas, o Pinguim e o Coringa acompanham um pouco o que foi apresentados nos filmes de Burton. Outros personagens retornam em versões mais interessantes que a utilizadas nos desenhos dos anos sessenta que derivaram da série, como Os Superamigos. Entre eles estão o Espantalho (para mim um dos melhores personagens dessa animação) e Hera Venenosa.


Mas Bruce Timm, juntamente com o roteirista Paul Dini, também tinha potencial para criar personagens, e de todos eles o mais conhecido com certeza foi Harlequina. A louca namorada do Coringa fazia de tudo para o seu “pudinzinho” que usava e maltratava a garota. Adorava suas hienas e em alguns episódios fez par com a Hera Venenosa, mas seu caso de amor e loucura com o palhaço renderam ótimos roteiros para o desenho, e posteriormente a palhaça foi introduzida nos quadrinhos, games e futuramente estrelará o filme do Esquadrão Suicida.

Cada capítulo tem uma história fechada, esporadicamente haviam histórias dividias em duas partes (como a origem do Duas Caras e Cara-de-Barro, a primeira aparição de Ra’s Al Ghul e a introdução da Batgirl e origem do Robin). Muitas aventuras foram adaptadas dos quadrinhos, outras foram criadas exclusivamente para o desenho. Mas em todas elas temos um Batman monossilábico, como uma sombra na noite, e a dublagem nacional foi primorosa, onde o dublador Marcio Seixas emprestou seu tom grave ao vigilante mascarado e um tom mais simpático à Bruce Wayne. Sempre que leio os quadrinhos do herói imagino a voz de Marcio como o Batman.


Se for para lembrar alguns dos melhores episódios podemos citar a primeira aparição do Sr. Frio, ou a participação do Fantasma Cinzento (personagem criado para a animação que consistia em um ator que fez um grande sucesso no passado interpretando o herói que era um ídolo para o jovem Bruce Wayne). Coringa era um caso a parte e em diversos episódios deu trabalho ao Morcegão, com seus cosméticos envenenados com o gás do medo ou seus peixes risonhos. Em O homem que matou o Batman, um simples homem  tem que enfrentar o grande fardo de ter aparentemente matado o herói. O episódio piloto trás na integra a origem e primeira aparição do Morcego Humano. E mais de 100 episódios e varias temporadas, Batman enfrenta o Home Invisível, o Crocodilo, Bane, ninjas e mafiosos em geral, sozinho ou em companhia de seu parceiro mirim , o Robin.

A origem de Batman só foi contada no filme Batman: A mascara do fantasma, que serviu para fechar uma temporada. Zatana e até Asa Noturna aparecem nas temporadas seguintes, mas a qualidade das temporadas iniciais não conseguiram ser alcançadas. restou para Bruce Timm seguir adiante com o desenho de Superman, Liga da Justiça, Projeto Zeta e Super Choque. Mas a série animada do Batman ficou para a história.