quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

O SILMARILLION


Ler o Silmarillion é como ler a Bíblia. O Escritor e professor J.R.R. Tolkien criou a Terra Média com suas varias lendas e histórias, sendo o que a maioria mais conhece dessas histórias foi o que foi mostrado nos filmes O Senhor dos Anéis e O Hobbit, onde sempre ouvimos relatos de perigos que ocorrerão, mas que foram iniciados em eras antigas, onde os acontecimentos já foram esquecidos e perdidos com o tempo, onde a mitologia e a realidade não podem ser definidas. A história da criação dos anéis é uma delas e muitos nomes de reis e seres do passado são mencionados como um passado tão distante onde os fatos não podem mais ser visitados, nem tão pouco imaginados devido à natureza da história. O que não é compreendido gera medo e desconfiança.

Bem antes de Sauron e Gandalf, antes até da criação do Mundo (Arda) em O Silmarillion Tolkien nos apresenta uma verdadeira Bíblia da Terra Média, com narrações das lendas e acontecimentos que deram início a esse universo fascinante. Não havia magos, elfos, hobbits ou anões, nem florestas ou rios. Mas havia Ilúvatar.

                       
Eru IIúvatar era o único e criou os Ainur e lhes propôs um tema para que juntos cantassem a Sinfonia Maravilhosa. Mas o Ainur de maior poder, Melkor, destoou dos demais, querendo criar sua própria música desafiando seu criador. Uma analogia entre Deus e a crença do anjo caído, comprovam que o autor utilizou a religião como pano de fundo para sua obra. A criação de Arda e dos elfos, conhecidos como filhos de Eru, com a ajuda dos Einur a terra foi planejada, mas sempre com Melkor atrapalhando e tentando corromper a criação, tal qual LúciferMelkor é o primeiro Senhor do Escuro, o mal encarnado e um ser muito mais poderoso que Sauron, que foi um de seus servos. 

Os mais poderosos Ainur que foram chamados de Valar, os menos poderosos eram denominados de Maiar, e os diferentes povos os glorificavam e veneravam como deuses, protetores de um determinado território, raça ou profissão. Um deles, Ulmo, era é o senhor das águas e dos mares, enquanto Aulë era o governante da terra e montanhas, sendo também o criador da raça dos anões. Uma guerra dos Valar contra Melkor era inevitável, ainda mais quando este destruiu as Duas Árvores de Valinor (importantes na trama) e ficou conhecido como Morgoth. Outro ato de Morgoth foi ter transformado elfos em orcs, corrompendo-os e gerando essa raça impura e cruel.


No livro, além da criação de Arda, são também contados os fatos mais importantes das primeiras eras. A rixa que os anões e elfos nutrem entre si são explicadas, e muitas outras histórias são relatadas formando um verdadeiro emaranhando mitológico que culminaria na elevação de Sauron com o segundo Senhor do EscuroO nome do livro refere-se às três joias que continham as luzes das árvores destruídas por Melkor. As gemas Silmarils, que eram consideradas perfeitas e sagradas, não podiam ser recriadas por nenhum Valar, e foram posteriormente roubadas por Melkor e incrustadas em sua coroa de ferro, cabendo ao herói Fëanor resgatá-la.

A aparição dos Magos e dos Bolrogs, o cumprimento de profecias e a criação dos anéis perfazem as cinco partes em que o livro é dividido. Não duvido que futuramente seja criada uma trilogia em cima do Silmarillion.