quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

MUPPET BABIES



Porta de entrada para o mundo nerd, uma legião de pessoas com idade entre 27 a 37 (ou mais) tiveram seu primeiro contato com ficção cientifica, aventuras espaciais e viagens no tempo com o desenho dos Muppet Babies. Eu particularmente vi Darth Vader pela primeira vez quando ele amedrontou o bebê Gonzo. O desenho é muito querido e lembrado com carinho por quem acompanhou os ótimos desenhos da década de 80 e repetidos a exaustão na década seguinte. Quem dessa época não se emociona ao ouvir o tema de abertura do desenho?


Em 1976, a trupe de fantoches e marionetes criados por Jim Henson estreou seu programa de televisão intitulado The Muppet Show, que fez muito sucesso e posteriormente gerou alguns filmes, entre eles Os Muppets conquistam Nova York, onde, em uma determinada cena, Miss Piggy imagina os personagens como se eles fossem bebês. A ideia foi aproveitada na animação que estreou nas TVs americanas em 1984. Sempre em um berçário, os pequenos Muppets tinham a imaginação muito fértil e se aventuravam no espaço, na era pré-histórica, no futuro, etc. Hora eram super-heróis, hora eram guerreiros espaciais, sendo que a brincadeira  terminava com a babá (que sempre aparecia na visão dos bebês, apenas da cintura pra baixo mostrando suas habituais meias listradas em verde e branco).

Essas aventuras imaginárias em muitos episódios eram sátiras de filmes como Star Wars, Indiana Jones, Caça Fantasmas, De volta para o futuro, etc. Volta e meia, as cenas desses filmes eram introduzidas nas tramas. Caco vestido de Indiana Jones fugindo da própria bola de pedra do filme Os caçadores da Arca Perdida ou a Star Destroyer saindo do armário para desespero de Gonzo. Quando o perigo chegava ao clímax, a brincadeira era interrompida pela babá, e o que era uma nave espacial se torna uma caixa de papelão, ou um polvo se transformava num cobertor.


A personalidade dos personagens seguiam o mesmo esquema das marionetes. O sapo Caco (ou Kermit) sempre fugindo dos sufocantes abraços amorosos de Piggy, e o triangulo amoroso se fechava com o estranho Gonzo, sempre menosprezado pela porquinha. Gonzo era o mais engraçado (pelo menos para mim), sempre acompanhado de sua galinha de borracha, ele sempre tinha o nariz apertado pelos demais, especialmente pela Piggy, quando sua tentativa de romance com Caco era atrapalhada. Era natural Gonzo se assustar ao abrir a porta do armário e se deparar com um monstro ou perigo (sempre a cena de um filme, como o Darth Vader atacando com seu sabre de luz, por exemplo).

O urso Fozzie tentava contar uma piada a uma plateia imaginária que lhe vaiava e tacava tomates depois que ele dava sua gargalhada “uaca uaca uaca”, o cachorro Rowlf era o músico e vivia tocando seu piano de brinquedo. Havia também os irmãos Skeeter e Scooter (essa última criada especialmente para o desenho). O mais amalucado era o Animal (conhecido por ser uma homenagem ao também louco baterista da banda The Who) sempre batucando em seu tambor de brinquedo e gritando “animal. Por vezes apareciam o esverdeado Dr. Bunsen Honeydw e seu assistente Beaker, que em casa chamávamos de Mimimi, para interagir nas aventuras.

Os Muppet Babies foram copiados pelos Looney Tunes, Flintstones e até Turma da Mônica, que também tiveram uma boa recepção, mas o roteiro englobava um universo que perdura até hoje e é uma pena a nova geração não ter tido essa experiência.