quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

A CAVERNA DO DRAGÃO


Para quem nasceu no fim da década de 70 até o fim da década de 80 não tem jeito, Caverna do Dragão foi o melhor desenho animado que já existiu. Criado por Gary Gygax em cima do jogo de RPG Dungeons & Dragons em 1983, a série nos animou por muito tempo, mesmo tendo apenas 27 episódios, repetidos a exaustão. Com certeza a maior mente por trás do desenho é o roteirista e super nerd Michael Reeves, que posteriormente contribui com o desenho de Batman, Gárgulas entre outros. Mas o sucesso da série não garantiu que as empresas  produtoras dessem prosseguimento nas temporadas seguintes, o que não nos deus o desfecho que tanto aguardássemos.

Tudo começa com os seis jovens entrando em um trem fantasma e sendo transportados para o mundo estranho de Dungeons & Dragons, e são recepcionados pelo enigmático Mestre dos Magos, que lhes presenteiam com as armas de poder. Tudo isso podia ser visto na rápida abertura, que nunca passava na TV, mas que pode ser vista no Youtube. Torcemos pelos jovens por anos, esperando que um dia eles conseguissem voltar para casa, sempre com a imagem do parque de diversões como fim do caminho. Mas esse dia nunca chegava por vários motivos.


Hank era o líder com seu arco e flecha especial. Sempre achamos que a Sheila, com sua capa invisível, faria um par romântico com ele, mas seu irmão mais novo, Bobby, não saia de perto. De pavio curto e não gostando de ser chamado de criança, era um perigo com seu poderoso tacape e seu traje de bárbaro. Diana era a acrobata, utilizando o bastão mil e uma utilidades para sair das enrascadas. Mas os mais queridos sem dúvida eram Presto, sempre atrapalhado com seu chapéu mágico, e Eric, resmungão e mimado. Quem nunca riu do cavalheiro e seu escudo, medroso e reclamão. De todos era o que mais odiava estar ali, podemos até notar que Eric era um riquinho e esnobe antes de ir para aquele mundo, mas que vai mudando sua maneira de pensar durante a trama.


Os perigos eram sempre diferentes, desde feiticeiras maldosas, monstros de diferentes tamanhos, feras pantanosas, fantasmas, insetos gigantes, dragões, dentre outros. Mas o maior inimigo dos garotos com certeza era o poderoso Vingador. Sempre a procura dos jovens para conquistar as armas do poder e conseguir de uma vez por todas subjugar o Mestre dos Magos e dominar aquele mundo. Podemos colocar o Vingador como um dos dez maiores vilões de desenho animado. O lendário dublador Orlando Drummond emprestou sua voz ao vilão e não conseguimos nunca ligar a voz do personagem ao de Scooby-Doo, ainda bem.

Muitos episódios ficaram na minha mente. O Eric sendo enfeitiçado e sendo transformado é uma fera do pântano, ou quando Henk é pego pelo Nevoeiro e eles têm que evitar que a enfermidade do arqueiro se alastre pra o corpo todo. Ver Eric ser transformado em Mestre dos Magos e o Vingador fugindo de Tiamat, o dragão de sete cabeças, são momentos inesquecíveis. E muitas vezes nos dava raiva ver Bobby e sua unicórnio Uni, emperrando no momento em que quase conseguiram ir embora. Até teve um capítulo em que eles conseguiram voltar ao mundo deles, mas tiveram que voltar devido ao Vingador ter ido junto.


O mundo apresentado era gigantesco, com vários reinados e vilas, regiões geladas e montanhosas, com campos floridos, pântanos e desertos intermináveis. E os locais pareciam ter saído das obras de Tolkien, afinal de contas o universo de RPG foi de alguma maneira moldado pelo criador de O Senhor dos Anéis. Sempre direcionados por meio de enigmas pelo Mestre dos Magos, eles procuram ajuda de um personagem esporádico e ajudam algum povoado ou alguém indefeso ou injustiçado.

Mas o motivo de Caverna do Dragão se tornar adorado e ao mesmo tempo Cult é não ter tido um final. O verdadeiro final escrito por Michael Reeves pode ser achado facilmente na internet, intitulado Réquiem. Até hoje há quem insiste com o final fictício de que os jovens haviam morrido e estavam no inferno, já desmentido pelo autor. Um final escrito e um final inventado. Mas nenhum deles está certo. A série fez sucesso devido a cada fã ter seu próprio final. É como se eles ainda estivessem procurando o caminho de casa e toda vez que assistir o desenho você ainda torcerá para que eles o encontrem.